A relação a dois e o arroz branco

Todo mundo que um dia se aventurou na cozinha sabe que o arroz branco, mesmo sendo um ícone bastante comum de nossa culinária, não é nada simples de ser feito. O mesmo eu diria sobre a relação amorosa. Parafraseando Freud, nosso grande chef da mente humana, “se amo, sofro; se não amo, adoeço”. Aprender a fazer um bom arroz branco também é sofrido.

Nos primeiros passos, sempre contamos com a sorte, sorte essa que nem sempre está do lado dos aventureiros. Disso se deduz sobre o arroz: se cozinhar demais, empapa; se faltar água, fica cru e se esquecer no fogo, queima. Em se tratando do amor, alguns até poderiam dizer: antes um arroz com muito fogo que com muita água. Sobre isso, não cabe opinar, vai do gosto de cada um.

No que diz respeito à relação a dois, sou da opinião dos grandes cozinheiros sobre o ato de cozinhar: não basta ter talento, é preciso muita experiência e dedicação. Encontrar o sal que te agrade, o ponto do arroz que mais satisfaz o gosto e, claro – por que não dizer – os condimentos.

É estranho pensar que, no início de uma relação, o casal está como que sempre em busca de melhorar o prato, acrescentando alho, cebolinha e salsa, quem sabe até experimentando o sal marítimo ou do Himalaia. Com o tempo, porém, diferentemente da experiência na cozinha, o arroz a dois vai perdendo o cheiro, a cor, enfim, o gosto, tornando-se um prato ideal para cardíacos – que não podem sofrer com o coração.

Com isso não quero dizer que para viver bem a dois é preciso sofrer ou coisa parecida. Mas, sim, que amar é como cozinhar. Não se começa um prato sabendo qual vai ser o resultado final, porque isso é uma mentira, pra não dizer sem graça. Com isso quero dizer que no amor ou na cozinha sempre há espaço para pequenas surpresas.

assinatura samir honorato

Sem Comentários ainda

Deixe seu comentário

Seu email não será publicado.

Hugo Sasdelli

BH Dicas

CONECTE-SE

Verdemar