Você já foi mal tratada em alguma loja?

Ei Gente! Tudo bem aí?

Estou trabalhando em um projeto novo, que tem me feito refletir muito. Em breve você vai saber sobre o projeto, mas hoje quero propor uma reflexão.

Estava lembrando de um caso antigo que aconteceu aqui em Belo Horizonte há muito tempo atrás e que nunca esqueci. Vê se você lembra disso.

Na época uma senhora, muito rica, entrou numa loja de grife (nem sei se ainda usa esse termo) e foi mal tratada. Não lembro direito qual foi o movimento da vendedora, mas gente, pra mim, uma encarada de cima embaixo já me deixa constrangida e com vontade de ir embora. Sei que a senhora foi em casa, trocou de roupa e voltou na loja. E aí sim foi bem atendida.

Talvez eu tenha esquecido algum detalhe da história, mas o fato é que desde que ouvi isso, nunca esqueci. Sendo bem prática, objetiva e sem mimi: se você tem um comércio que lida diretamente com o público, invista em treinamento pessoal da sua equipe de frente. Aquela que fala com o público. Esse assunto já está até bem batido, me parece óbvio, e me sinto até meio boba falando tudo isso, mas o que tenho observado é que as pessoas podem até saber da importância de capacitar sua equipe, mas não o fazem, sabe-se lá porque.

Será que um dos motivos do crescimento de venda pela internet, também não tem a ver com isso? Aposto que sim.

Ninguém é melhor do que ninguém. Acho que fazer as pessoas que trabalham, com e para você, entenderem esse ponto, já é um grande passo. Se você tem uma loja, restaurante, trabalha com prestação de serviço… pessoas de todo tipo vão te procurar. Com demandas diferentes, condições sociais diferentes, que talvez você vai poder ajudar e talvez não.

Foto de uma conversa boa na Praça: Giuliano Cretoiu | Beleza: Clarisse Padilha

Tratar as pessoas de forma educada, gentil, cordial acho PRIMORDIAL. É básico. Percebo que essa não é a realidade de muitos lugares em Belo Horizonte. Me sinto mais envolvida com as marcas quando sou bem TRATADA do que quando minha demanda é resolvida.

As vezes entro numa loja, que não tem o que procuro. Mas encontro pessoas disponíveis, gentis e dispostas a ajudar. Não sinto que o outro está me julgando pela minha camiseta, que pode ter uma gota de café escorrida. Não quero ser julgada pela falta de maquiagem que não deu para fazer na correria, nem pelo meu cabelo que está num coque super alto, porque Belo Horizonte segue um calor dos infernos. Sabe?

O ideal é que as pessoas que estão a frente do atendimento, dominem sobre o produto que estão vendendo e que ainda, trate as 1 ou 100 pessoas que entram na loja bem.

O que você acha que acontece?

Virgínia Sasdelli

22 Comentários
  1. Ja fui mal atendida na tool box do vila da serra. Talvez pela roupa que eu estava vestindo, a vendedora foi super estranha comigo. Nao queria e nao mr atendeu direito. Me olhou de cima a baixo. Graças a Deus tenho um emprego que me possibilita comprar qualquer item daquela loja, mas depois dessa nunca mais voltei la.

      1. Eu sinceramente nem entendi o que aquela vendedora estava fazendo ali. Super de má vontade. Acredito que , por eu estar com roupa simples, cabelo sem escova, ela achou que estaria perdendo tempo comigo, que eu nao iria comprar nada. Engano dela. Só nao comprei por causa dela. Eu fazia perguntas e ela respondia com a pior cara do mundo. Super estranho. Nao sei se ela é de mal com a vida ou se foi minha roupa mesmo. No caso, pode ter sido falta de um bom treinamento. Ja vi outras pessoas reclamando dessa loja, no seu instagram mesmo. Triste!

    1. Ei Roberto,
      Pois é.. fiquei pensando nisso. Triste né? (assim, acho ótimo comprar online, também compro demais) mas triste esse ser um dos motivos.
      Até

  2. Eu já sofri preconceito ou hoje bulling, na loja Sporte Hall do Minas Shopping, isso a uns 8 anos atras. Meu filho estava em seu primeiro emprego queria comprar um tênis de R$ 600,00. Na ocasião eu tinha recebido férias, falei com ele vou te emprestar o dinheiro para comprar a vista, assim temos melhor desconto. O vendedor fez o melhor atendimento, eu perguntei se tinha desconto a vista em dinheiro ele coitado, claro senhora. Quando cheguei no caixa a atendente disse que eu não tinha desconto. Pedi para chamar o gerente. Ele desceu e me olhou de cima abaixo, eu simples, meu marido de chinelos nada de mais. Ele disse que eu poderia pagar em até 10 vezes no cartão de crédito sem juros. Fiquei muito nervosa. Disse para ele para não julgar as pessoas pela cor da pele ou pelas roupas. Eu disse que ia pagar em dinheiro. Pois meu dinheiro era ganho com muito trabalho. Achei muita falta de respeito. Tive outras experiencia. Mas está ficou marcada, inclusive para meu filho que na época tinha 16 anos.

    1. Ei Carla,
      Nossa, fiquei mal com seu comentário.
      Que triste.
      Você acha que isso mudou? Porque esse caso que contei no post, ouvi quando era criança.. e ainda hoje vejo atitudes similares.
      Sinta meu abraço.
      Muito chateada com esse seu caso. Mas ainda bem que você fez isso tudo, e ensinou certo para seu filho.
      Obrigada por dividir aqui <3
      Abraço

  3. Eu já fui mal atendido 2 vezes na loja da BMW – revenda de motos,na Raja Gabaglia. Estava querendo trocar minha moto por uma GS 650 nova. Na primeira vez fiquei 30 minutos esperando para ser atendido, como estava na hora do almoço tive que ir embora sem ser atendido. Na outra vez fui olhar a moto na loja e o vendedor pediu para eu me afastar da moto porque tinha outro cliente querendo olhar a moto. Sai de lá e comprei uma BMW usada na loja do lado. Nessa loja da BMW parece que você tem que ir de terno para ser atendido.

  4. Olá, tudo bem?
    Já deixei um comentário aí.
    Bom, vamos lá.
    Sou designer de interiores, estava na casa da cliente com a mesma , na loja loja onde comprei o material não tinha umas peças que precisa de pronta entrega, liguei para uma ver Lj de acabamentos , falei combo vendedor, orcei , peguei preço, nome valores , tudo acertado para o motorista da cliente ir buscar com o cheque dela( que inclusive já tinha um pedido com dados dela e meus dados) cadastrados.
    Chegando lá o motorista ( negro e simples , não usa uniforme) ficou esperando por horas , passando de de um para o outro , até que , alguém ligou para saber se o cheque que ele levava era realmente de quem ele falava.
    Constrangedora, racista, preconceituosa!!!
    Liguei, falei, achei um absurdo, ah a cvliente também. Ficamos tristes , envergonhadas.
    Isso, sempre acontece se você quiser saber mais tenho várias outras pra contar. Bjos

    1. Ei Valéria,
      Tudo bem???
      Nossa, tô chocada.
      De verdade. Eu não comprava…. vocês reportaram isso a loja?
      CHO CA DA.
      Obrigada por dividir comigo.
      Até

  5. Já fui mal atendida em varios lugares mas tenho 3 casos mais marcantes. Sou gorda, visto 44, fui Na Siberian do Del Rey comprar uma calça e a vendedora olhou pra mim e falou que só vendiam até 44, dando a entender que lá não teria roupa pra mim, eu só respondi que sabia e que inclusive tinha muita roupa de lá, ela não quis me atender, veio outro vendedor super simpático e me atendeu super bem, no dia comprei muito mais do que queria só de raiva, a cara dela qdo me viu no caixa foi minha melhor vigança, mandei email no site da marca contando o que aconteceu. Mesmo se eu fosse gorda além do tamanho que eles vendem eu não poderia entrar pra comprar um presente pra alguém??? A outra loja é a MMartan do Diamond, da última vez que fizeram pouco caso o que foi recente eu falei para o gerente da loja que devido ao pouco caso que sempre acontece na loja compro sempre pelo site pra pegar lá. O outro caso mais marcante foi qdo fomos comprar carro fomos na Mitsubishi da Catalão e nenhum vendedor quis atender eu e meu marido, compramos na da Raja, uns anos depois usamos o serviço da assistência da Catalão e o gerente comercial nos perguntou pq escolhemos o concorrente, tivemos a oportunidade de contar o que aconteceu e o gerente ficou super grato com o feedback. Parabéns pela iniciativa Virgínia, com o alcance do blog tomara que vc consiga fazer diferença nesse âmbito.

    1. Ei Maria Luiza,
      Tudo bem? Só consigo ficar pasma com os casos relatados aqui. MISERICÓRDIA. Gente do céu…
      Obrigada por dividir sua história aqui, viu?
      Uma pena tudo.
      <3

  6. a um ano e meio entrei numa conssecionaria da Hyundai CAOA Pampulha. Eu e meu marido estávamos de chinelos e roupas bem simples. nao nos deixaram entrar fiquei mto constrangida. Meu marido me convenceu e acabamos indo na Minas France Renault e compramos o carro lá devido ao tratamento do vendedor. Sempre indico a concessionária e o vendedor

    1. QUE ISSO!!!!!
      COMO ASSIM não te deixaram entrar???????
      Você mandou e-mail? Conhece o reclameaqui?
      Tô boba. Sério. Porque as vezes a marca nem sabe que isso acontece entende? O dono tá lá, tranquilo achando que os funcionários estão de boa, e de repente isso…
      Obrigada por comentar <3

  7. Na verdade, eu acho que os vendedores são mais mal tratados que os clientes. Há vendedores mal-humorados, sim. Mas esses perdem o emprego logo. Mas o cliente chato, mal-humorado, esse sim se acha no direito de fazer o que bem quiser. Quando o vendedor ê ruim a gente muda de loja. Mas já clientes que humilham os vendedores. Por terem dinheiro (nem sempre!) acham que podem tratar mal as pessoas. Que, aliás, não tem como reclamar. O cliente, pelo contrato, se o vendedor sorrir atravessado já vem reclamação. Adoro comprar pela internet. Mais pelo conforto, menos trânsito, que por culpa de vendedores.

    1. Ei Wellington,
      Tudo bem? É um outro ponto de vista…
      Quanto a isso penso assim, o cliente quando é mal educado prejudica basicamente só ele mesmo, e aquelas pessoas que destratou, sabe? – sei que tem muita gente que se acha melhor que o outro e isso é péssimo. Enquanto um funcionário, quando está trabalhando, representa aquela marca. A maioria das pessoas, quando são mal tratadas em qualquer lugar, relaciona esse atendimento a empresa. Olhe acima os comentários. Pessoas que saíram de lugares e foram consumir em outros. Quem perde?
      Eu acredito que está certo. Se eu senti algum tipo de preconceito em qualquer loja, atribuo essa “culpa” aos representantes que não souberam passar os valores da empresa e também não irei consumir nelas. Por isso acho mais grave, entende?
      Obrigada pelo comentário <3

  8. Oi, uma que me deixou muito marcada ,há muitos anos foi uma loja da Elmo no BH shopping… Eu tinha de 15 para 16 anos e tinha uma Amiga que os pais tinham bom emprego e um bom salário. O pai deu a minha amiga uma grana pra comprar um tênis que ela queria muito. Ao chegarmos na loja um vendendo veio nos atender com um risinho estranho na cara e eu não tinha percebido que era deboche… a minha amiga escolheu o tênis e ele disse que iria buscar. Ficamos sentadas por um tempão e o vendedor nunca veio com o tênis. Depois de muito tempo eu o procurei ele estava perto do caixa morrendo de rir…. fez a maior hora com a nossa cara. Ficamos tão sem graça que saímos da loja e fomos embora pra casa… sem o tênis. Não conseguimos nem ir em outra loja. Nunca esqueci a fisionomia desse moço… e nunca esqueci desse dia. Lamentável!!!

  9. Tenho dois casos sobre o assunto pra contar:

    Meu pai tem uma serralheria, anda sempre com uniforme e botinas, e quando precisa sair durante o dia para algum lugar vai com seu tão amado uniforme. Quando foi comprar nossa televisão há uns 8 anos atrás, naquela época em que tvs de tela plana eram a grande novidade, não foi atendido por um vendedor da Casas Bahia da avenida Abílio Machado porque estava “mal” vestido, esse vendedor preferiu ficar assistindo Jiu Jitsu com um outro cara que nem comprou nada. Depois de alguns minutos dentro da loja um outro vendedor super simpático o atendeu, meu pai ligou para meu padrinho e no fim das contas, saíram cada um com uma tv de 50 polegadas da loja.

    No outro caso, fomos comprar nossa geladeira, dessa vez em família. Fomos até bem vestidos, era de noite e meu pai já não estava mais com seu uniforme. Entramos na loja COOK do Shopping Del Rey (nem sei se ainda existe essa loja, faz muito tempo que não vou lá) e ficamos minutos esperando por atendimento e nada, saímos de lá e compramos nossa geladeira de quase 3 mil reais a vista em outra loja.

    Acho de extrema importância falar sobre um assunto nem tão comentado, as pessoas têm que ter mais educação e respeito ao atender alguém, não tenho que estar bem vestido pra ser bem tratado, o importante é me atenderem e só. Apesar de não me revoltar tanto, fico indignado com esse tipo de experiência, queria entender o que alguém pensa ao fazer tal coisa. Se fosse vendedor iria atender a todos da melhor forma possível, porque o importante seria o cliente sair satisfeito e eu com minha comissão de venda rsrs

    Obrigado pelo espaço Virgínia! 😉

  10. É um assunto tão polêmico, né?!
    Já fui “esnobada” por não estar em cima do salto mas também já fui super bem tratada voltando da academia, bem descabelada…
    Acho que vai muito do vendedor, da marca, e inclusive da nossa postura como consumidor também.
    Assumir que a relação é de troca: eles precisam vender e nós precisamos do produto, certo?
    Qual a dificuldade do ser humano entender que a relação é dos dois lados?

    Sinceramente acho que o que mais vale a pena refletirmos é sobre o “ser humano”!

  11. Virginia, lamentavelmente, para algumas pessoas (poucas, felizmente) vale a aparência, seja no papel de cliente ou em situações rotineiras. Vale mais “ter” do que “ser”. Quando me acontece alguma coisa parecida com os episódios aqui relatados, eu pergunto à “figura” que me tratou mal se ela é alguém importante que eu deveria conhecer, e lhe dedico o meu melhor sorriso, desejando-lhe saúde e paz! Parabéns pela iniciativa.

Deixe seu comentário

Seu email não será publicado.

BH Dicas

CONECTE-SE