Armazém que vende de tudo há mais de 70 anos sobrevive de maneira heróica aos grandes comércios e se torna um oásis em meio à pasteurização vigente em Belo Horizonte

Por Daniel “Nenel” Neto

Foto: Nenel – Baixa Gastronomia

Um pequeno comércio fincado numa movimentada esquina e que resiste bravamente à pasteurização e ao mundo globalizado. Eis o Armazém do Zé Totó, no Bairro Aparecida, na Região Noroeste de Belo Horizonte.

Aberto em 1943 pelo pai de José Alves dos Santos, o Zé Totó, o negócio se mantém graças à fiel clientela da região e à diversidade de produtos oferecidos. De bola de gude a artigos religiosos, de ratoeira a fumo de rolo, de tiras de chinelos Havaiana a ovos de galinha. Estes são apenas alguns entre os incontáveis itens alimentícios, produtos hidráulicos, elétricos e de utilidades em geral. Algo que realmente impressiona.

Foto: Nenel – Baixa Gastronomia
Foto: Nenel – Baixa Gastronomia
Foto: Nenel – Baixa Gastronomia

Aos 87 anos e cheio de saúde, Zé Totó conta que, se o cliente não achar algo por lá, pode voltar em no máximo uma semana que encontrará o que procura.

Foto: Nenel Baixa Gastronomia

Zé Totó trabalha no armazém desde a abertura do mesmo. Na época, ele tinha apenas 13 anos. Após a morte do pai, em 1950, assumiu o negócio e criou família com o sustento advindo da loja. “Espero que meus filhos e netos continuem com isso aqui por muitos anos ainda”, diz emocionado. Ele já não vai ao armazém todos os dias.

Foto: Nenel – Baixa Gastronomia

Quem quiser pode beber uma cervejinha gelada ali mesmo, no balcão, ou na parte de fora, sentado num banquinho, vendo a vida passar. A Brahma sai a R$6 e pode ser acompanhada por uma porção de queijo com mortadela (R$8) ou por um saquinho de pimentinha. Mas, pra ser sincero, o que menos importa ali é a comida. O negócio é ser feliz em um lugar com tanta vida e tanta história.

Foto: Nenel – Baixa Gastronomia

Nesta era em que os gigantes engolem os pequeninos com cada vez mais facilidade, a venda do Zé Totó resiste heroicamente, tendo como base elementos de antigamente, como bate-papo, amizade e confiança. Este último quesito é, inclusive, fundamental para a existência das antigas cadernetas, onde são anotados os valores que os frequentadores mais conhecidos devem à casa, no velho sistema de “pendureta”.

O Armazém do Zé Totó fica na Rua Aporé, 500, no bairro Aparecida. Funciona de domingo a domingo, de 8 da manhã as 9 da noite, e só não abre na Sexta-Feira da Paixão. Pagamento somente em dinheiro.

Eis um lugar maravilhoso, verdadeiro e cheio de alma. Saúde e vida longa ao Zé Totó!

Foto: Nenel – Baixa Gastronomia
Foto: Nenel – Baixa Gastronomia
Foto: Nenel – Baixa Gastronomia
Foto: Nenel

ARMAZÉM DO ZÉ TOTÓ

Rua Aporé, 500 – Aparecida.

Belo Horizonte, MG.

Telefone: (31) 3428-3066.

29 Comentários
  1. Que maravilha! Quanta saudade, a mais de 40 anos, na minha infância eu ia aí no Zé Totó. Qualquer coisa que precisasse minha mãe dizia: Vai lá no Zé Totó que tem. Salve Zé Totó!

  2. Meu velho pai,Seu Jorge,teve uma mercearia por décadas no Bairro da Serra-Mercearia Palmira-em homenagem a milenar cidade da Síria,terra de meus avós!Era sortida,vendia de tudo-feijao,alpiste,arroz(a granel),biscoitos Cardoso, café Câmara moído na hora, guloseimas (eu adorava).Era ponto de encontro dos serranos,onde um bate papo amigo era a tônica.Que saudade desse tempo risonho e feliz ,de uma Belo Horizonte que não existe mais.
    Obrigado pela reportagem!

    1. Ei Marcelo!!!
      Que legal essa história. Vou passar para o Nenel, tenho certeza que ele vai adorar!
      Muito Obrigada por visitar o blog.. e volte sempre.
      Abraço,
      Virgínia

  3. Que coisa boa !!
    Saudades dos temos de infância e felicíssimo em saber q ue ainda existe um ambiente assim em BH.
    Parabéns pela matéria leve e saudosista.
    Um alívio em meio a tantas manchetes negativas em um tempo dominado pela mediocridade e feiúra!

    1. Ei Mariltoin!
      Tudo bem? Obrigada pela mensagem. Vou repassar ao Nenel do Baixa Gastronomia. Ele é colunista aqui no BH Dicas e foi quem escreveu o post.
      Uma abraço

  4. O Zé totó faz parte da vida de todos que moram ou já moraram pelas redondezas. Sempre que passo pela Aporé, paro no armazém e me dá uma saudade!!! Que o Zé totó sobreviva por muitos anos!!

  5. Fui criado e morei por 27 anos no Bairro Aparecida, O Armazém do Sr, Zé Totó, é uma referência para o Bairro, de uma Agulha a Querozene, Cimento, Enxofre, de tudo se encontra ali, saudades de minha infância e o período de adolescência, neste Bairro, fora a cordialidade no atendimento, Vida Longa ao Zé Totó.

    1. Alberto,
      Muito obrigada pela visita e por dividir com a gente um pouquinho da sua história.
      Amém. Que o Ze Totó sobreviva e mantenha a tradição, viva.
      Até breve!

  6. Já precisei de cordas de cavaquinho às 3 da madruga qdo ticávanos numa festa e arrebentou! Onde achei pra continuar o baile! Lá no Totó! 🙂

  7. Zé Totó faz parte da minha história de vida! Bombinha “cabeça de nego”, pirulito capeão, sorvete artificial com um anel de brinde, suspiro gigante e colorido. Qualquer coisa que procurava noutros lugares e não encontrava apostava com os meus colegas que no Zé Totó tinha. Duvida?
    Que homenagem maravilhosa e excelente reportagem que me fez voltar nos tempos! Parabéns! Minas Gerais possui uma riqueza imensurável escondida! É um tesouro muito rico de pessoas , causos e de surpreendente história!

    1. Ei João!
      Muito obrigada pelas palavras e por dividir com a gente a sua história com o Zé Totó. Vou passar para o Nenel (Baixa Gastronomia), colunista aqui do BH Dicas seu feedback. Ele vai ficar feliz…
      Eu também penso exatamente assim. Minas é única e precisamos valorizar a nossa história. Casos, pessoas, arquitetura, gastronomia…
      Volte sempre que puder.
      Até,
      Virgínia

  8. Sair no uai essas raridades, melhor o Totó ficar de olho! Quando falaram do churrasco do gaúcho aos domingos na rua do Ouro, o gaúcho fechou o negócio.

    1. Ei Dalton!
      Tudo bem? Obrigada pela visita por aqui..
      O Portal Uai é um grande parceiro do Blog e acredito que coisa boa deve ser compartilhada. Quanto mais pessoas souberem da existência do Zé totó, mais pessoas podem ir lá ver de perto e valorizar o que é nosso.
      Obrigada pela visita e pela mensagem.
      Espero que volte..
      Assina a Newsletter (se achar que deve). Toda semana envio no e-mail um resumo de novidades do BH Dicas.
      Até!

  9. que legal,em Alfenas no bairro de Gaspar lopes tem uma vendaparecida ,a do seu Ze do Alvino,vale a visita,eletem uma cascavel no porao para assustar ratos.Seu ze e figuraça e muito humano,ajuda a Vida Viva,instituiçao de apoio as vitimas do cancer.Mil a zero em shoping center

  10. Eu morava no bairro Santa Cruz e precisava comprar determinado objeto em pleno domingo . Não encontrava em lugar nenhum, até que um amigo me disse que sabia um lugar que eu acharia o que queria, duvidei de cara, mas fui com ele para conferir , quebrei a cara pois tinha mesmo e acabei comprando outras coisas. Muito legal parabéns Zé Totó.

    1. Ei Marcelo!! Que legal… É mesmo uma mercearia das antigas né?
      Não faz muito tempo, BH era lotado de lugar assim.
      Obrigada pela visita e espero que volte.
      Até

  11. Adorei esta reportagem, morei no bairro cachorrinha onde lá não tem mais este lugar que me lembra muito a minha infância, viagei no tempo obrigado pela linda reportagem e parabéns seu Zé totó pelo belo lugar.

    1. Ei Carla!
      Vou passar sua mensagem ao Nenel – Baixa Gastronomia. Ele vai ficar feliz que você gostou do Post.
      Adorei saber que a experiência dele relatada aqui no blog, te fez lembrar da sua infância.
      Espero que volte sempre.
      Até

  12. Por favor, façam outras reportagens assim. Estamos empobrecidos e desejamos rever estes momentos bonitos e humanos da nossa cidade. Parabéns.

    1. Ei Maria,
      Que bom que gostou do post. Vou passar seu feedback para o Nenel, do Baixa Gastronomia.
      Assina a newsletter do Blog para receber as dicas no seu e-mail..
      Obrigada,
      Virgínia

  13. Sou fã do nenel, sigo ele no Facebook e fico lisonjeada de saber que temos um Belorizontino entre nós com a capacidade de perceber nossa história e tem a delicadeza de compartilhar o que temos de melhor. Isso é memoria, história da vida de uma BH que me orgulho muito. Me vejo em diversos momentos do passado quando ele visita lugares que adorei e nem sabia que ainda existiam. Meu avô o Tiaozinho fez história no bairro Salgado Filho com uma venda, uma quadra de esportes que ainda existe e um cinema na década de 60. Infelizmente ele se foi, mas me deixou um enorme presente, exemplo de força, dedicação e trabalho.
    Parabéns pela matéria queridos!

  14. Zé Totó me remete à infância! Fiz uma viagem no tempo agora vendo essa reportagem. Tudo que precisávamos, corria no Zé Totó.. Além de encontrar tudo o que precisa, seu Zé é a simpatia em pessoa, conhece todos os clientes pelo nome.
    Hoje não moro mais no bairro, mas às vezes quando ainda precisamos de alguma coisa difícil de encontrar corremos lá e é certo encontrar. Se não tiver hoje, pode voltar daqui uns dias que encontra.
    Que Deus abençoe e ilumine seu Zé, dê a ele muitos anos de vida e saúde!!!

Deixe seu comentário

Seu email não será publicado.

BH Dicas

CONECTE-SE